Projeto “Depois das Seis” é uma pausa para o pôr-do-sol - Feito Brasil
FRETE GRÁTIS NAS COMPRAS ACIMA DE R$ 110,00

Projeto “Depois das Seis” é uma pausa para o pôr-do-sol

O que você faz depois das seis? Toma um café, acena para o ônibus, vai a um happy hour? Lê 10 páginas do livro da vez, dá notícias em casa, procura imaginar com clareza como serão os filhos que você terá com aquele amor que acabou de passar do outro lado da rua?

A fotógrafa Gabriela Saueia se posiciona e tira da bolsa uma câmera para registrar o pôr-do-sol. Onde quer que esteja, ela busca encontrar o melhor ângulo e captar a parte mais colorida de São Paulo – SP, quando o dia se despede pintando o céu. O Projeto, chamado Depois das Seis, está comemorando três anos na próxima semana, e se espalha virtualmente e pelos lambes colados nos muros da cidade.

Quando começou, Gabriela não via em São Paulo tantas cores quanto vê hoje “Eu tinha uma relação muito complicada com São Paulo e  o projeto foi fundamental para me adaptar à cidade, acabou me mostrando que São Paulo não é tão cinza assim como todo mundo fala (e como eu mesma achava que era)”, conta ela que, sozinha cuida das fotos, do site, dos lambes e da divulgação do projeto. 

Uau, quanta coisa, né? Mas para a idealizadora do Depois das Seis, tudo vale a pena. Ela não deixa de olhar para o céu e registrá-lo um dia sequer e, nesses três anos, garante que não viu sequer um pôr-do-sol igual ao outro. “O céu é totalmente mutável e único a cada segundo, o pôr-do-sol é um acontecimento diário e totalmente efêmero, nenhum momento é igual ao outro”, diz Gabriela, sempre atenta aos detalhes “percebo isso até mesmo no caminho que faço até encontrar o lugar pra fotografar, que até pode ser o mesmo, mas vão acontecer coisas diferentes no trajeto”.

O segredo está em olhar os detalhes para encontrar na vida novas inspirações. Com o Depois das Seis, Gabriela aprendeu a desacelerar um pouco e a prestar mais atenção ao redor, nesse caminho a vida ficou mais colorida, como a de todos nós também pode ficar. “Eu acho que a parte mais interessante da vida acontece nos detalhes, é nas pequenas coisas que a vida vai acontecendo, mudando, até deixar de ser detalhe! Tem tanta cor espalhada por aí em coisas que a gente nem imagina, acho que dá pra encontrar isso se a gente reparar mais”, recomenda.


Share this post



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *